IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EDITH STEIN

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

MATERIAL ENVIADO POR NOSSA CORRESPONDENTE DE ROMA

PREPARANDO O NATAL COM EDITH STEIN



Santa Teresa Benedita da Cruz [Edith Stein] (1891-1942), carmelita, mártir, co-padoreira da Europa
O Presépio e a Cruz

«Cumpriram-se os tempos […] Segui-me, vinde após mim»


O menino no presépio é o Rei dos reis, Aquele que reina sobre a vida e a morte. Ele diz : «Segue-me», e quem não está com Ele está contra Ele (Lc 11,23). Isto Ele di-lo também para nós e dá-nos a escolher entre a luz e as trevas. Ignoramos aonde o Menino divino nos quer conduzir aqui na terra, e não o devemos perguntar antes do tempo certo. O que sabemos, é que tudo contribui para o bem daqueles que amam o Senhor (Rm 8,28), e que os caminhos traçados pelo Senhor vão para lá desta terra.
Ao tomar um corpo, o Criador do género humano ofereceu-nos a sua divindade. Deus fez-se homem para que os homens pudessem tornar-se filhos de Deus. «Ó troca admirável!» É por essa obra que o Salvador veio ao mundo. Um de entre nós houvera rompido o laço da nossa filiação em Deus; de entre nós um deveria renunciar e expiar a sua falta. Mas rebento algum da velha cepa, doente e degenerada, o pôde fazer; era preciso que nesse tronco fosse enxertada uma planta nova, sã e nobre. Ele tornou-se assim um de nós e muito mais do que isso: um em nós. Aqui está o que de mais maravilhoso há no género humano: que todos sejamos um. […] Ele veio para formar connosco um corpo misterioso: Ele é o Chefe, a cabeça, e nós os seus membros (Ef 5, 23.30).
Se aceitarmos pôr nas mãos do Menino divino as nossas, se respondermos «Sim» ao seu «Segue-me», então seus seremos e o caminho ficará livre para que Ele nos passe a sua vida divina. Assim é o início da vida eterna em nós. Não é ainda a visão beatífica na luz da glória, é ainda a obscuridade da fé; mas já não é a obscuridade deste mundo – é estarmos já no Reino de Deus.


VOCÊ PODE ENCONTRAR ESTA TRADUÇÃO NO LINK "BIBLIOGRAFIA TRADUZIDA PARA O PORTUGUÊS" QUE FICA A SUA DIREITA.

Nenhum comentário: