IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EDITH STEIN

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Pressupostos antropológicos da filosofia cristã segundo Edith Stein

Resumo: Por análise própria, com método próprio, segundo sua própria tradição filosófica e religiosa, Stein chegou a afirmar a unidade da pessoa em sua constituição corpo-alma-espírito, e nisso a sua originalidade como indivíduo único e irrepetível, mas também portador de uma originalidade no mundo criado e no mundo espiritual. Grande parte das investigações filosóficas realizadas por Edith Stein foi encaminhada para a compreensão do ser humano, pois para ela é fundamental compreender a estrutura do ser humano em todas suas dimensões. Desta vem depender a aplicação correta e o êxito de todas as ciências que, de uma maneira ou outra, têm a ver com o ser humano: a pedagogia, a psicologia e também a mesma vida espiritual. Vemos aqui ser um pressuposto fundamental para uma filosofia cristã. Para Edith toda correta compreensão do ser humano parte da compreensão do seu ser como ser unitário. Não se trata de uma alma que vive em um corpo, mas de uma unidade de corpo, alma e espírito. Só a unidade pode levar a compreender-se corretamente cada uma das estruturas ou dimensões do ser humano. Estes elementos constitutivos são os que definem a natureza do ser humano, um ser que ao mesmo tempo é espiritual e material, que se encontra como ponto de união entre as dimensões. Aqui não pretendemos apresentar toda a amplitude dos temas e suas implicações, simplesmente queremos destacar aqueles elementos chaves que têm uma incidência decisiva na investigação filosófica de Edith Stein. Como ponto de partida tomamos o que Edith Stein entende por pessoa: “o eu consciente e livre”, ou seja o eu que é sujeito de experiência, de liberdade e unidade de consciência.
Palavras chaves: ser humano; pessoa; unidade; corpo-alma-espírito; “eu”; individualidade; comunidade; liberdade.

Padre Helder SalvadorPe. Helder Salvador
Mestre em Filosofia Teorética pela Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma. Mestre em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade São Tomas de Aquino, Roma. Professor de Filosofia da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo e professor de Teologia e Direito Canônico pelo IFTAV.

Nenhum comentário: