IV SIMPÓSIO INTERNACIONAL EDITH STEIN

terça-feira, 30 de novembro de 2010

FILOSOFIA E LITERATURA: A FORMAÇÃO DO PENSAR CRÍTICO SEGUNDO WALTER BENJAMIN

Autor: Francisco Kennedy Castro Cunha

Co-autor: Kátia Gardênia da Silva Coelho

E-mail : gardyinj@yahoo.com.br

Orientador(a): Dra. Cleudene Aragão;

Dra. Tereza de Castro Callado


Este trabalho apresenta a questão da formação do pensar crítico do discente universitário, ou seja, o futuro professor de literatura para a aplicação de uma língua estrangeira. Levanta-se a problemática sob a relevância dos textos literários como instrumento para o conhecimento de uma determinada LE. Vale ressaltar que tanto a literatura como a filosofia cumpre o papel na formação de leitores competentes, críticos e reflexivos do pensar. Entretanto, percebemos que quando se fala na questão de se trabalhar com textos literários a compreensão de uma nova língua, surge à dificuldade para perceberem o universo de saberes em que a literatura pode proporcionar ao aprendizado de LE. Com isso, vemos a relação entre filosofia e literatura como meio para a educação inovadora dos jovens universitários. Tendo como fundamento ao desenvolvimento de leitores livres para deixarem o espírito criativo construir um novo conhecimento em comunhão com a sociedade. Nesta perspectiva resolvemos tomar como referência o texto de Walter Benjamin A vida dos estudantes onde o filósofo faz uma crítica sobre a formação dos jovens na universidade. Segundo Benjamin há uma diferença entre o ensinar e o educar. Enquanto que a primeira procura formar o aluno apenas como receptor de conteúdos, sem proporcionar ao estudante a capacidade para criar seu próprio conhecimento, o educar propõe a relação professor – aluno em que ambos possam fazer uma troca de conhecimento e construir um novo olhar sobre a realidade. Então, percebemos a atualidade do pensamento de Benjamin para a formação do pensar crítico dos professores de língua estrangeira com o auxílio do olhar filosófico e literário, visto que ambos nos ajudam a fazermos uma leitura crítica da sociedade.

PALAVRAS- CHAVES: ESPÍRITO, EDUCAÇÃO, FILOSOFIA, LITERATURA

Nenhum comentário: